09/01/2019 | 08:24

Defensor de ricos Bolsonaro quer perdoar dívida de R$ 17 bi dos milionários do agro; STF exige cobrança

Defensor da burguesia, novo presidente vai contra a própria justiça e pretende anistiar bilionários que deram calote por 7 anos no Brasil

e acordo com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) já se manifestou à favor de perdoar a dívida de R$ 17 bilhões que os magnatas do agronegócio devem para o Brasil. Coincidentemente, 17 é o mesmo número do partido do presidente, que fez uma campanha alinhada à burguesia do país.

A possibilidade do perdão da dívida anima os produtores, que já deram calote por sete anos consecutivos, e agora estão vendo o STF exigir cobrança retroativa aos anos que deixaram de pagar o imposto Funrural.

A conta foi feita pela própria Receita Federal, e foi divulgada em 2018, com a estimativa de que o perdão da dívida dos milionários poderia gerar um impacto de R$ 17 bilhões às finanças do país, mais do que o dinheiro de toda corrupção alardeada nos últimos 20 anos.

Conforme o economista Darcy Francisco Carvalho dos Santos, medidas que podem causar perda de receita devem ser evitadas em momento de dificuldades nas contas públicas. Para o especialista, a eventual anistia às dívidas do Funrural iria na contramão do discurso da gestão de que buscaria dar fôlego às finanças do país.

“O governo não está em condições de abrir mão de receitas e precisa cortar despesas”, frisa.

O deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) é autor de projeto que prevê encerrar a cobrança dessa dívida. O texto tramita em regime de urgência na Câmara.

“Não é uma questão de anistia ou de perdão. A dívida não existia antes”, pontua Goergen, que questiona a estimativa de que o passivo chegue a R$ 17 bilhões.

O prazo para produtores se inscreverem no Programa de Regularização Tributária Rural, o Refis do Funrural, terminou ao final de 2018.

Fonte: Muvuca Popular

Os comentários estão encerrados.